domingo, 21 de fevereiro de 2010

" Entre Desertos e Homens Bombas"







“Desértico Existir”



“Pus meus pés entre folhagens secas

Feito água que secou em mim

Secura de vida nesse desértico existir

Perdendo esteios de um tempo que nunca houve

Pois o que há: carrega em salitres o que sobrou dos sonhos

Hoje,

Bebo o amargo do que inventei

Restos de humanidades

Restos de histórias que nunca tem fim

Feito mar

Feito rio

Sem água, margem, espelhos

Eu?

Sigo nesse deserto sem fim

A minha boca pede água

O meu corpo pede cama

A minha alma pede paz.”




“Conversas com o homem-bomba”


“Queria me livrar de tudo

De você, de mim

De livros e palavras

Queria me livrar do tempo

Desse maldito tempo

Que teima tudo reinventar. “



Poemas: Fátima Lima

Foto: Fátima Lima

4 comentários:

  1. hj tem post sobre os amigos blogueiros e vc tá incluída.

    ResponderExcluir
  2. Por causa do amigo aí de cima, vim aqui te ler e te seguir.

    bj

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Adorei a proposta de trocar o chá pela pinga... daí tudo flui melhor... hahaha!! Bjos, querida!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom este blog. Tem tudo e de tudo.

    ResponderExcluir